Buscar

Gestão de saúde durante a pandemia

Atualizado: Mai 10

A população mundial vem enfrentando, desde janeiro de 2020, uma pandemia causada pelo novo coronavírus.

Além de afetar diretamente aspectos econômicos e sociais, a pandemia impactou fortemente a área da saúde em aspectos como assistência médica, saúde mental e gestão de saúde pública, privada e corporativa.





Os profissionais de saúde, maiores combatentes da pandemia, têm passado por um período desafiador. O principal problema é o alto risco de contaminação, que gera intenso sofrimento psíquico, transtorno de ansiedade, distúrbios do sono, medo constante de adoecer e de contaminar familiares. Além disso, as longas horas sob intensa pressão cuidando de um grande número de pacientes também cobra seu preço.


Mas estes verdadeiros heróis não são os únicos a sofrer os efeitos da pandemia de Covid-19. Os problemas acometem também, em menor grau, quem trabalha fora dos hospitais. O distanciamento e o isolamento sociais tem sérios impactos na saúde física e mental.

Consequências do isolamento social nas equipes


O que se tem visto não é muito animador: colaboradores e gestores preocupados com o retorno das atividades nos escritórios. A preocupação pesa dobrado em cima dos gestores, por conta da responsabilidade que eles têm sobre a segurança de seus empregados. A pandemia evidenciou problemas antes deixados de lado, como a saúde mental, que impacta diretamente na produtividade dos colaboradores.


Grande parte das pessoas teve seu nível de atividade física reduzida a quase zero ao longo do ano de 2020. Enquanto isso, o consumo de bebidas alcoólicas teve grande aumento. Para completar o cenário, muitas pessoas adiaram consultas e tratamentos não emergenciais com medo de se contaminar em clínicas e hospitais.


Ao mesmo tempo, muitas empresas foram obrigadas a fechar suas portas com o lockdown. Muitas delas faliram e o desemprego aumentou, gerando mais pressão sobre a saúde mental das famílias.

O impacto nos planos de saúde


Para as empresas, os últimos meses ampliaram um desafio que já existe há muito tempo: o de gerenciar os custos de saúde de seus funcionários. Equipes de recursos humanos de organizações de todos os países já começaram a rever os custos com saúde, considerando orçamentos, despesas e seus resultados financeiros.


De acordo com uma pesquisa realizada entre os dias 26 de maio e 10 de junho de 2020 e divulgada na Revista Apólice, 60% das empresas brasileiras estimam algum aumento dos custos com programas de saúde em função do coronavírus para o ano de 2021.


A preocupação é o potencial acúmulo de sinistros dos planos para este ano, uma vez que em 2020 muitas empresas já observaram redução geral de frequência dos sinistros médicos em função da postergação de procedimentos e atendimentos pelas operadoras e usuários dos planos.


A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) determinou, no dia 21 de agosto do ano passado, a suspensão de reajustes dos planos de saúde entre os meses de setembro a dezembro de 2020. A pandemia abre oportunidades para as empresas estimularem os funcionários a procurar, gerenciar e receber cuidados de saúde virtualmente. É aí que entra o apoio da tecnologia.


As dificuldades da pandemia também aceleraram oportunidades:

Telemedicina e tecnologia como braço direito da saúde


A telemedicina é um processo avançado para monitoramento de pacientes, troca de informações médicas e análise de resultados de diferentes exames. Estes exames são avaliados e entregues de forma digital, dando apoio para a medicina tradicional.


Ampliar o uso dessa ferramenta é uma estratégia para apoiar o cuidado a distância mitigando riscos e apoiando a tomada de decisão no combate à pandemia. É possível também dar suporte a Unidades de Pronto Atendimento, com o uso da telemedicina, bem como a UTIs, com o serviço de Tele-UTI.


A telemedicina é uma das áreas que avançou bastante com os recursos da inteligência artificial, principalmente na automatização e definição de prioridades médicas. A tecnologia aplicada à saúde demonstrou diversos avanços nos últimos anos. É cada vez mais comum que hospitais, clínicas médicas e consultórios apostem no uso de recursos tecnológicos para otimizar o seu dia a dia de trabalho e atender o maior número de pessoas possível.


Outros exemplos do auxílio da tecnologia na saúde são: impressão 3D para a criação de implantes e articulações, cirurgia robótica e treinamentos com realidade aumentada. O sistema de saúde pós-Covid-19 será desafiador e demandará mudanças estruturais no investimento em pesquisa, tecnologia, qualificação e oferta de serviços de saúde.


Os avanços tecnológicos e esforços científicos que vêm ocorrendo nas últimas décadas colocam os profissionais da saúde frente ao desafio de se manterem atualizados.


A pesquisa clínica é fundamental para os profissionais da saúde porque dá uma forte ferramenta para promover mudanças baseadas em evidências.


Como exemplo, a busca exaustiva por uma vacina contra o novo coronavírus serviu como elemento catalisador para os avanços tecnológicos nessa área. Para saber mais sobre as vacinas e a importância que elas terão nos próximos meses confira nosso post “A vacinação na gestão de saúde da sua equipe: por que é importante?”.


O grande desafio da época pós-pandemia é formar e capacitar profissionais da área da saúde para pesquisar e medir o impacto das pesquisas para trazer redução da morbimortalidade e melhoria na qualidade de vida dos pacientes atendidos em serviços de saúde.

A importância da cultura de prevenção


Agora, a cultura de prever possíveis problemas que podem acometer os colaboradores é ainda mais importante. Não são apenas planilhas, balanços e projeções de investimento que traduzem fielmente a saúde de uma empresa. A busca por bem-estar e por uma rotina mais saudável para todos deve figurar também entre as pautas prioritárias de toda organização.


No século XXI, não cabe mais associar trabalho a sofrimento. Numa organização saudável, trabalho pressupõe qualidade de vida, satisfação profissional e pessoal.


As empresas que tomarem mais rapidamente medidas para entender o tamanho do impacto e avaliarem alternativas para sua gestão de saúde estarão mais bem posicionadas para gerenciar os gastos e a saúde dos funcionários nos próximos anos.


Na iTech Care, contamos com uma equipe interdisciplinar de especialistas capacitada e comprometida a identificar os pontos críticos no perfil de saúde dos colaboradores e a planejar ações deflatoras. Assim, ajudamos as empresas a prever e a mitigar situações futuras de risco, otimizando os gastos com os benefícios de saúde, enquanto contribuímos para a melhoria da qualidade de vida e o bem-estar das pessoas.


Além disso, oferecemos soluções desenvolvidas por médicos altamente capacitados, com base nas melhores práticas para o combate do novo coronavírus. Adicionalmente, nosso time de tecnologia criou ferramentas para gestão de saúde e controle de indicadores, como um simulador de fluxo de caixa para análise e previsão do impacto da Covid-19 na sinistralidade da empresa.


Oferecemos também serviço de Telemedicina e Telepsicologia aos clientes, com diversas especialidades (clínica médica, pediatria, psiquiatria, ortopedia, etc.), fornecendo atendimento de qualidade com otimização do tempo, redução de custos e apresentação de relatórios.


Para saber mais acesse a nossa página de soluções.


Fontes:

Forbes | Rhmed | Scielo | Telemedicina Morsch | Portal Telemedicina | Veja Saúde | Revista "Enfermagem Virtual"